quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

A viagem de Woodstock








O que a noite tem a ver com o sono? 
(What hath night to do with sleep?)  

John Milton (1608-1674)  



O norte-americano Michael Wadleigh tinha 27 anos quando decidiu filmar os shows do lendário Festival de Woodstock em 1969. Foi o único cineasta a registrar o evento. No ano seguinte, o cineasta então desconhecido tornou-se celebridade internacional ao lançar nos cinemas "Woodstock - Onde Tudo Começou". Filmado por cinco câmeras sob o comando de Wadleigh – que chegou a ser chutado para fora do palco durante o show do The Who – o documentário teve o desconhecido Martin Scorsese como assistente de direção e propagou imagens que fariam história pelo mundo afora.
Intercalando celebrações e delírios da plateia de meio milhão de pessoas a performances definitivas de Janis Joplin, Jimi Hendrix, Joe Cocker e uma galeria de nomes e bandas mitológicas, naquele chuvoso fim de semana de agosto de 1969, o filme de Wadleigh venceu o Oscar em 1971 e marcou época. Em 1994, o mesmo Wadleigh foi o centro das atenções quando, nos 25 anos do festival, lançou nova versão de seu documentário com preciosos 40 minutos que não estavam na versão exibida nos cinemas – que tinha 154 minutos e foi lançada em VHS nos anos 1980.





A viagem de Woodstock: acima, cartaz
original do festival em 1969; uma cena
de Aconteceu em Woodstock, filme
de Ang Lee; e a feira hippie que ainda
hoje permanece montada em Bethel,
no estado de Nova York, EUA,
cidade que passou a constar no mapa
depois que foi sede do festival.
Abaixo, o caminho para a fazenda de
Max Yasgur, onde aconteceu o festival,
em fotos de Henry Diltz, que foi o
fotógrafo oficial do evento. Diltz também
era músico, integrante da banda Modern
Folk Quartet, e conseguiu o emprego de
fotógrafo oficial do mais lendário dos
festivais por conta de sua amizade com
Crosby Stills & Nash, Joni Mitchell,
Janis Joplin, Jimi Hendrix e outros
astros e estrelas que ocuparam o
palco em 1969 em Woodstock










Mais de 40 anos depois do lançamento do primeiro filme, Wadleigh surgiu com uma nova "versão do diretor" para o documentário que já parecia completo na versão original. "Woodstock - 3 Dias de Paz, Amor e Música" (Warner) chegou às lojas em quatro DVDs e em Blu-Ray. O novo filme traz as 32 bandas e suas 250 canções em mais de quatro horas – com quase duas horas de cenas nunca vistas, incluindo documentário sobre a década de 1960, novas performances, entrevistas saborosas e depoimentos emocionados da época.
Wadleigh selecionou o que havia de melhor em seu arquivo para editar a nova versão. São cenas surpreendentes, para deleite dos apaixonados pelo melhor do rock'n'roll: das festas da plateia às sequências inéditas de alguns dos maiores mitos da música em seus melhores momentos – entre eles, a íntegra de atuações nunca exibidas de 13 bandas e artistas como Janis, Hendrix, Joan Baez, Santana, The Who, Grateful Dead e outras performances inspiradas. 







A viagem de Woodstock: imagens
que se tornaram lendárias, registradas
por Henry Diltz. Abaixo, dois beijos
que fizeram história, o primeiro
fotografado por Henry Diltz e o
segundo por Elliott Landy, outro
fotógrafo que fez registros antológicos
sobre o festival em 1969








 
A "versão do diretor" traz ainda comentários de Wadleigh, que lança luzes sobre os bastidores de produção do festival que mudou a história do rock – revelando que os organizadores pensaram em desistir de tudo, na última hora, por causa do desconforto das chuvas e dos congestionamentos gigantescos que os milhares de sortudos e corajosos enfrentaram para chegar à fazenda que seria sede do evento mais mítico da era da contracultura.
Nos extras da nova versão do documentário, Wadleigh comenta seu próprio trabalho diante do que define como o melhor show da história. "O certo é que todas essas pessoas estavam lá por algo mais que uma música maravilhosa e foi isso o que retratamos", explica Wadleigh, que manteve os irreverentes cabelos longos que usava nos anos 1960, quando embarcou em uma história que, segundo ele próprio comenta, soava a "ecologia, comunismo e cultura". 
 





Woodstock, lembra o diretor, é uma unanimidade como mais importante evento de música da história e um marco em nossa civilização: é quando o rock'n'roll, que surgiu na década anterior, chega ao poder. Pelas imagens flagradas por Wadleigh, é possível acompanhar a felicidade da multidão que viveu "três dias de paz, amor e música" – palavras que ganharam corações e mentes por traduzir a juventude em uma época marcada por desilusões.
O tom de fim da utopia transparece no show que encerra o festival, com Hendrix tirando sons torturados da guitarra e improvisando na microfonia "Star Spangled Banner", o hino nacional norte-americano. Enquanto no Brasil surgia o movimento tropicalista e a ditadura militar atingia seu momento mais repressor, com o Ato Institucional Nº 5 cassando as liberdades individuais, a juventude de outros países também vivia momentos sombrios, ainda que instigantes – com lutas históricas pela liberdade e pelos direitos civis.





Nos Estados Unidos, Luther King e Robert Kennedy são assassinados em 1968, enquanto explodia a guerra do Vietnã, o mais longo conflito armado desde a Segunda Guerra. Nos cenários de Woodstock, porém, como define no novo filme de Wadleigh um dos organizadores do festival, tudo alcançaria a dimensão de paraíso – apesar das filas gigantes para tudo, da chuva que não parava e do barro acumulado. Foi o auge da liberação e do "paz e amor" – como indica o gesto de indicar dois dedos em riste, imagem que se tornaria o símbolo de uma época e síntese poética dos novos tempos no mundo inteiro.
O lendário encontro de tribos que colocou Woodstock no centro e na vanguarda da consciência de cidadãos do mundo todo, quatro décadas depois ganharia outros tributos, além da nova versão do documentário de Michael Wadleigh. De todos os tributos ao festival, alguns merecem atenção especial, entre eles os livros “Woodstock” (editora Agir), de Pete Fornatale, e “Aconteceu em Woodstock” (editora Best Seller), de Elliot Tiber, que foi a base do roteiro do filme "Aconteceu em Woodstock” (“Taking Woodstock”, 2009), de Ang Lee. Há, ainda, o registro do show quase inacreditável de Hendrix no encerramento do festival, lançado em DVD duplo. 

















Jimi Hendrix – Live in Woodstock” (Sony), que havia sido lançado nos cinemas nos anos 1970, em versão reduzida de 80 minutos, agora recebeu nova edição, com câmeras alternativas e uma versão inédita da íntegra do show, filmado em sua sequência original, sem cortes, com cada gesto e acorde do maior guitarrista de todos os tempos entoando “Foxey Lady”, “Message To Love”, ”Hey Joe”, ”Spanish Castle Magic” e “Lover Man”, entre outros clássicos da era do rock.

O documentário de Hendrix em Woodstock também inclui material bônus exclusivo como as coletivas de imprensa com o guitarrista falando a respeito do festival, entrevistas com os organizadores e muitas e muitas cenas de bastidores. Numa das entrevistas, Hendrix faz breves comentários sobre a infância e sobre sua avó materna, descendente de índios Cherokee, que incutiu no jovem Jimi um forte sentido de orgulho por seus ancestrais. Também recorda em poucas palavras que descobriu a música aos 16 anos, quando ganhou de presente um ukelele.






Hendrix aos 19 anos, no início
de 1962, quando alistou-se no
Exército, em Fort Campbell, Tennesse;
e em cenas do documentário filmado
em Woodstock, que havia sido
lançado nos cinemas nos anos 1970,
em versão reduzida de 80 minutos, e
que agora recebeu nova edição, com
câmeras alternativas e uma versão
inédita da íntegra do show





Aos 19 anos, no início de 1962, Hendrix alistou-se no Exército, em Fort Campbell, Tennesse, e foi convocado para uma brigada de paraquedistas. No exército ele descobriria a guitarra e receberia dispensa médica pouco tempo depois do início do treinamento, após fraturar o tornozelo em um salto. Nos bastidores, Hendrix recorda suas primeiras experiências com a música e comenta que o som do ar assobiando no pára-quedas, durante sua temporada em Fort Campbell, foi uma das fontes de inspiração para seus solos na guitarra.



Aconteceu em Woodstock



No Festival de Cannes, em 2010, quando seu filme concorreu à Palma de Ouro, Ang Lee explicou que sua proposta não foi reconstituir as cenas históricas de Woodstock. "Este filme não é sobre rock. É sobre o rito de passagem de um garoto que faz descobertas importantes sobre sua família e sua sexualidade. Seria impossível reconstituir a magia daquele palco. Para isso já existe o documentário de Michael Wadleigh”, alertou Ang Lee, cineasta taiwanês que ganhou notoriedade depois de "O Segredo de Brokeback Mountain", de 2005. Em “Aconteceu em Woodstock”, os lendários 32 concertos de rock nunca aparecem na tela. Em uma das cenas, a multidão de mais de 500 mil pessoas que lotou os campos é vista, mas somente à distância.









Aconteceu em Woodstock: imagens
registradas pelo fotógrafo Henry Diltz
foram reproduzidas no álbum duplo
em vinil duplo com uma seleção das
performances do festival. Abaixo,
três cenas de banho coletivo no lago
da fazenda de Max Yasgur
registradas por Bill Eppridge









 

Enquanto Pete Fornatale, que era locutor de rádio na época do festival, reúne em seu livro dezenas de depoimentos de artistas e anônimos que viveram aqueles três dias de rock, no outro livro – que inspirou o filme de Ang Lee – Elliot Tiber, o inventor do Festival de Woodstock, revela os bastidores do evento que marcou uma geração. Até a realização do festival, Tiber lutava para evitar a falência do decadente hotel da família na pequena cidade de Bethel, no estado de Nova York.

Parecia uma missão impossível, pois a clientela que frequentava o local durante as férias havia descoberto a Flórida, e a indústria do turismo na região estava praticamente falida. Woodstock, segundo Tiber, aconteceu quase por acaso. Para salvar o hotel dos pais da falência, ele ofereceu o terreno para promover um show de rock e arrecadar dinheiro. Tiber só não sabia das proporções que o evento tomaria.

por José Antônio Orlando.



Para comprar o documentário Woodstock em versão BLU-RAY,  clique aqui.






Para comprar o CD duplo Woodstock, 40 Years On,  clique aqui. 





Para comprar o filme de Ang Lee em DVD, Aconteceu em Woodstock,  clique aqui.






Para comprar o livro Woodstock, de Pete Fornatale,  clique aqui.


















Acima, Janis Joplin, a musa principal
do Festival de Woodstock, aos 17 anos,
em 1960, e no meio da plateia do festival.
Abaixo, Janis no palco em Woodstock,
fotografada por Rowland Scherman, e 
uma das muitas imagens que fizeram
história: o casal Nick e Bobby Ercoline,
na época anônimos, na  plateia, naquele
final de semana de chuva, em agosto de
1969, fotografados por Burk Uzzle








27 comentários:

  1. essa última foto é emblemática exatamente por mostrar que os sonhos foram parar no lixo. Adorei.

    ResponderExcluir
  2. José, que maravilha! Viajei com seu texto e as imagens do seu blog. Esta página então, sobre Woodstock, ai meu Deus! Saudades de você e das melhores aulas que tive na vida. Na época eu já sabia disso, mas agora, quando lembro e comparo você com os outros professores e professores daquela escola corrupta, dá vontade de rir, ou de chorar. Será que todos aqueles medíocres continuam lá, enganando os alunos que pagam caro?
    Beijos para você e parabéns de novo. Muito obrigado por ter sido um professor de verdade. Beijos e beijos.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom!!!
    Foi um boa viagem, um máquina do tempo esse texto!
    Como sou amante da fotografia confesso que poderia passar horas só vendo as fotos.
    Gosto da possibilidade de ficar imaginando o que aconteceu logo após aquele instante congelado na visão de alguém. Gosto de tentar imaginar como estão hoje aquelas pessoas congeladas nas fotografias.
    Abs

    Já compartilhei.

    ResponderExcluir
  4. Ah, José. Que viagem... Adorei tudo: texto, fotos, blog. Seu trabalho é genial. E preciso confessar a você que um dia ainda me encontro nestas fotos de Wooodstock (rsss).
    Parabéns pra você e muito muito obrigado por me levar de volta ao paraíso. Aguardo as próximas. Abss.

    Sérgio Brito

    ResponderExcluir
  5. lindas fotos e muita novidade hein!!! NUnca ouvi o show todo do Hendrix...genial! Aliás, por aqui tem várias coisas geniais né! Obrigado por ainda hoje me municiar com tantas coisas boas mestre! Abraço.

    ResponderExcluir
  6. O filme é mesmo a melhor visão que pude ter até hoje desse acontecimento. De todos a que assisti foi o único que me deu a sensação de ter estado naquele lugar, foi mais real do que uma narrativa histórica do melhor festival de música de todos os tempos, não foi só mais um documentário. Juli Monteiro

    ResponderExcluir
  7. Cara, que beleza de blog... Achei esta página sobre Woodstock pela busca do google e, de repente, vejo que Woodstock é só a ponta do iceberg deste incrível Semióticas. Parabéns, José. Vida longa e boa sorte para as próximas!
    PS: mandei uma mensagem para seu e-mail semioticas@hotmail.com
    Confio na sua resposta e já entrei para o fã-clube.

    Gil.

    ResponderExcluir
  8. O movimento Hippie (decadas de 60 e 70) foi o grande "grito" pela liberdade politica e cultural para o mundo. Anos depois o "hipismo" (se é quemos dizer assim) ainda continua, mas com a visao deturpada e exagerada de uma mocidade pró violencia e anarquisada. VIVA JANIS, JOE COKER, RICHIE HEVANS... VIVA A LIBERDADE CULTURAL E A ESSENCIA DO VERDADEIRO ROCK'N ROLL. Parabens pelo espaço, José. Grande abraço Carlos Junho

    ResponderExcluir
  9. Se tem uma coisa que eu já sei é que não dá pra ser rapidinha a visita ao seu blog Semióticas, José. Os textos são sempre impecáveis, as fotos são lindas e é sempre uma surpresa. Só tenho a agradecer por ter te conhecido e por poder partilhar estas páginas fantásticas do seu blog. Parabéns de novo. Essa viagem de woodstock me levou às alturas. Abração!

    ResponderExcluir
  10. Ana Carolina Soares11 de dezembro de 2011 11:29

    Zé, que beleza de blog... Parabéns pra você. Virei leitora de carteirinha desse Semióticas que virou favorito de muita gente que eu conheço. Beijim pra você. Amei tudo.

    Ana Carolina Soares

    ResponderExcluir
  11. Só para registrar: esse Semióticas é O Blog e você é O Cara, José. Parabéns e vá em frente que está bom demais. Parabéns, parabéns, parabéns...
    Marcio Elias

    ResponderExcluir
  12. Tenho que ver este dvd com extras, já gostava muito do anterior.

    ResponderExcluir
  13. José, meu caro, seu blog é maravilhoso. Vi este link no mural do Renato Godá, nosso amigo em comum no facebook, e cliquei porque achei bonita a fotinha. Mas bonito é pouco para descrever esta página e as outras. Ouso repetir todos os elogios e parabéns que encontrei aqui nesta lista de comentários.
    Maravilhoso, esta é a palavra para descrever esta beleza que é seu Semióticas. Sonho para ti muita sorte e vida longa!

    Pedro Silveira

    ResponderExcluir
  14. Anos depois, em 1979, Neil Young usou no seu CLÁSSICO álbum Rust Live as palavras que antecedem a cena oo temporal: "no rain, no rain, no rain". Curiosamente conheci RUST LIVE - discaço ao vivo de Neil Young - com 12/13 anos... antes de conhecer o filme/festival Woodstock. Clássico.

    ResponderExcluir
  15. Maravilha de texto e de edição. Parabéns!

    ResponderExcluir
  16. Francisco Medeiros13 de junho de 2012 10:13

    Poucas vezes encontrei um blog tão bom, com textos tão sofisticados e edição de imagens tão surpreendente. Quando descobri que é um blog independente, que não está vinculado a nenhum grupo editorial, a surpresa foi ainda maior.
    Todos os prêmios para este seu Semióticas são mais do que merecidos. Faço questão de registrar parabéns a você, meu caro José Antônio Orlando, e de agradecer sua generosidade em compartilhar um trabalho tão especial. Virei fã de carteirinha desde a primeira visita.

    ResponderExcluir
  17. José Sidney de Alencar15 de junho de 2012 20:37

    Que beleza! Acabo de fazer uma viagem no tempo com as companhias mais alucinadas de todas com Jimi Hendrix e Janis Joplin e seu texto caprichado e emocionante de tão bom. Adorei seu blog, José Antonio Orlando. Tudo por aqui é um show! Valeu!
    José Sidney de Alencar

    ResponderExcluir
  18. É difícil, José Antônio, muito difícil comentar alguma coisa sua sem cair no óbvio!!! De qualquer forma agradeço muito e sempre sua grandeza em compartilhar pesquisas e trabalhos tantos... essa livre e fantástica exposição.

    ResponderExcluir
  19. Larissa de Alencar27 de agosto de 2012 10:46

    Vou abrir uma exceção. Não costumo deixar comentários em sites e blogs que visito, mas no seu caso não posso deixar passar batido, José Antônio Orlando. Este Semióticas é um espetáculo. Tudo burilado, tudo lindo. Escolhi esta página sobre Woodstock para o comentário porque foi a primeira que visitei. Você conseguiu abordar as questões mais diversas sobre Woodstock e sobre o que o festival representou e representa. Woodstock, como você destaca, foi o evento mais importante do movimento de contracultura, que arrancou as raízes da verdade, libertou as agarras dos corpos e as privações do pensamento, incorporando, através de uma nova realidade, a expressão, o ritmo, o movimento, a música e as muitas utopias. Porém, mais do que tudo, permitiu o que já deveria ser verdade: a libertação da própria liberdade do homem. Nunca existirá algo assim novamente.
    Amei profundamente este seu ensaio e muitos outros que encontrei por aqui. Será que você me aceita como sócia de carteirinha do seu blog? Beijos.

    Larissa de Alencar

    ResponderExcluir
  20. Uma beleza. Viajei longe com as imagens e com esta delícia de texto. Há muito tempo eu não gostava tanto de um blog. Este Semióticas é o máximo, meu querido José Antônio Orlando. Parabéns e vida longa!

    ResponderExcluir
  21. Parabéns pelo texto e pelas imagens incríveis. O que é clássico do rock não muda nunca... Saudade de Janis e Jimi...

    José Luiz Amzalak

    ResponderExcluir
  22. Carlos Elias D'Onnofrio21 de março de 2013 10:29

    Não costumo escrever comentários nos sites que visito. Mas não seu caso não resisti. Parabéns, Semióticas. Publicou o melhor artigo que já vi sobre as lendas de Woodstock. Sem contar a edição de imagens, de tirar o fôlego, quase um filme. Comento apenas este, mas os outros textos que encontro por aqui também são de outro mundo, coisa de artista. Virei fã. Parabéns demais.

    Carlos Elias D'Onnofrio

    ResponderExcluir
  23. Cada post seu é uma aula completa, um resgate definitivo de algum tema, e sempre com uma ótica aberta, sem caretices. Você é demais, José Antônio Orlando! ;)

    ResponderExcluir
  24. Cláudio Magalhães3 de junho de 2013 19:32

    Gostei muito. Imagens e texto em perfeita sintonia. Puro luxo. Parabéns, Semióticas. Tudo aqui é excelente.

    ResponderExcluir
  25. ótima matéria! eu tenho um vinil triplo aqui em casa que saiu na década de 70, se não me engano. é bom demais! e tem essa última foto aí como a capa do disco!

    ResponderExcluir
  26. Cada visita a este blog é uma surpresa e um encanto. Tudo lindo, divino, maravilhoso. Agradeço muito, muito. Parabéns pelo alto nível!!!

    ResponderExcluir
  27. Ana Elisa Nogueira15 de agosto de 2015 15:18

    Tudo que eu posso dizer é que estou arrepiada. Estava aqui pesquisando no Google sobre o aniversário do Festival de Woodstock e encontro de repente este seu site maravilhoso que deveria ser leitura obrigatória nas escolas. Tudo lindo e inteligente, texto impecável e um jeito de contar histórias que é um talento raro, José. Vi que há por aqui muitos elogios de leitores, mas não resisti e registro meus parabéns a você. Ganhei o sábado com esta descoberta de Semióticas. Vou ter que voltar muitas vezes para conferir tudo de ótimo que encontrei. Ufa! Parabéns demais!!!

    Ana Elisa Nogueira

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes