quinta-feira, 21 de julho de 2011

Parábolas de Kafka













Poucos escritores tiveram seu nome transformado em adjetivo com tanta propriedade. "Kafkiano", na língua portuguesa, passou a designar as características marcantes da escrita do genial escritor alemão Franz Kafka (1883-1924): uma escrita de textos breves em que afloram o tom exasperado, atencioso ao menor detalhe, em temas que vão da alienação à perseguição implacável.

Um estilo, enfim, que segundo os especialistas na obra do autor de "A Metamorfose" (1915) e "O Processo" (1925), ao retratar indivíduos preocupados com o pesadelo de um mundo impessoal e burocrático, expõe em profundidade os medos e a angústia do autor, nascido na cidade de Praga,  atual República Tcheca – sua angústia perante a realidade e também sua solidão interior.





Denso, filosófico, simbólico, o sentido dos textos de Kafka tem parentesco direto com as parábolas, aquele gênero sempre associado aos evangelhos bíblicos do Novo Testamento, com suas histórias que têm um fim didático baseado em comparações de costumes ou observações analíticas sobre questões só na aparência insignificantes. 

Muitos já haviam percebido o parentesco da literatura personalíssima de Kafka com as parábolas, mas coube ao alemão Nikolaus Heidelbach a iniciativa de selecionar e ilustrar uma série delas, distribuídas na obra do autor de "A Metamorfose": cada relato é sucinto e e em cada um dos pequenos fragmentos a simples e aparente normalidade da existência sucumbe pelo desespero da sobrevivência.



Quando se ouve ao longe o cantar de um galo



 

A seleção de Kafka segundo Heidelbach chegou às livrarias com o título "Oportunidade para um Pequeno Desespero" (Editora Martins Fontes). São 26 textos, organizados e ilustrados por Heidelbach, que têm sabor de inéditos mesmo para o leitor brasileiro mais dedicado à obra breve e fundamental de Kafka. Com um senso de humor ferino, os desenhos de Heidelbach traduzem e dialogam com as parábolas em seus pequenos lances que traduzem grandezas cifradas.

Nikolaus Heidelbach selecionou as histórias do livro entre os diários, cartas e textos diversos de Franz Kafka, a partir de uma frase - que dá título ao livro e foi extraída do romance "O Castelo" (1926), quando o personagem K. encontra-se sozinho na rua com os pés afundados na neve, entre um castelo e uma aldeia desconhecidos, e pensa: "Oportunidade para um pequeno desespero".




Franz Kafka fotografado aos cinco anos, 
em 1888. Abaixo, fotografias raras de
Kafka aos 13 anos, aos 18 e aos 23


A citação não vem reproduzida na edição, mas surge indiretamente na forma de epígrafe - "Se alguém tem uma pele amarelada, não tem escolha a não ser mantê-la, mas não precisa, como Frieda, ainda por cima, vestir uma blusa bem decotada cor de creme, de forma que os nossos olhos transbordem de tanto amarelo (?). Em algum lugar um senhor até imitou o canto de um galo".

Entre os 26 textos, há "Cinco Amigos", que trata com humor a falta de sentido das relações humanas ("... e qual é o sentido, afinal, dessa contínua comunhão, também entre nós cinco não há sentido, mas agora já estamos juntos e vamos permanecer assim"), e o surpreendente "A Ponte", no qual um homem percebe que é uma ponte e espera pelo seu próprio fim: da construção da muralha da China transporta o mecanismo burocrático para uma terra distante e, dessa forma, evidencia sua desumanidade.



Histórias mais absurdas



Nascido em uma família da classe média judia e falante da língua alemã, durante os tempos de crise do antigo Império Austro-Húngaro, Franz Kafka deixou alguns poucos textos escritos, obras na maioria incompletas, longes da versão final que pretendia um dia concluir. Publicadas depois de sua morte, estas poucas obras fizeram dele uma referência como um dos maiores escritores da Literatura Universal. 

Autor de novelas, romances e coletâneas de contos, Kafka escreveu também a avassaladora "Carta ao Pai" (1919) e centenas de páginas de diários. Deixou inacabado o romance "Amerika" e alguns capítulos de "O Processo" - romance escrito sem ordem cronológica e sobre o qual há controvérsias se a edição oficial é a definitiva.

 



Em "A Metamorfose", seu texto mais conhecido, Kafka narra o caso de um homem que acorda transformado num gigantesco inseto. Em "O Processo", um certo Josef K. é julgado e condenado por um crime que ele mesmo ignora. Em "O Castelo", o agrimensor K. não consegue ter acesso aos senhores que o contrataram, enquanto "Na Colônia Penal" (1914) fala sobre uma máquina que tem o poder de executar sentenças. 




Como sempre, em Kafka, trata-se de uma história absurda sobre uma Colônia que usa esta máquina para torturar e matar pessoas, sem que estas sequer saibam o porquê de sua morte. Para a maior parte dos críticos e pesquisadores de literatura, os protagonistas das narrativas de Kafka são projeções dele mesmo e de sua incapacidade de adaptação na vida social e nos estudos.



Pesadelos burocráticos



Autor de uma literatura personalíssima que quase não encontra paralelos com obras produzidas nos séculos anteriores – e que deu origem ao adjetivo “kafkiano”, aplicado quando o que está em jogo são perseguições e situações características dos escritos do autor, que retrata indivíduos preocupados com os pesadelos de um mundo impessoal, injusto e burocrático.










O mais velho de seis filhos de um pai descrito por seus pares como descrito como “um grande empresário egoísta e arrogante", Kafka atingiu pouca fama com seus livros, na maioria editados postumamente. Em cada texto, o autor abarca à perfeição o conceito de “literatura moderna” e expõe seus medos, sua angústia perante o mundo, sua solidão e sua relação problemática com a família e os círculos sociais de sua época. Morreu em junho de 1924 num sanatório perto de Viena, onde se internou com tuberculose.

Desde então, seu legado – resgatado pelo amigo Max Brod – exerce enorme influência na literatura e na cultura em geral, com adaptações para o cinema e outras mídias e como referência para outros artistas e músicos, como comprova o excelente trabalho do cantor, compositor e instrumentista Otto, em videoclipes, no show e no CD “Certa Manhã Acordei de Sonhos Intranquilos”.






Imagens de Franz Kafka: acima, em gravura
de Andy Warhol datada de 1980. Abaixo, no
traço do cartunista Robert Crumb, no álbum
lançado em formato de história em quadrinhos,
em 2005; na praia, em foto do álbum de família,
com o amigo Max Brod; e em foto colorizada























O artista intranquilo



"Certa manhã, quando Gregório Samsa acordou, após um sono intranquilo, achou-se em sua cama convertido em monstruoso inseto". Otto tomou emprestada esta frase, que abre o livro "A Metamorfose", de Franz Kafka, para batizar um dos melhores CDs da última safra no Brasil, o impecável "Certa Manhã Acordei de Sonhos Intranquilos". 

O quarto álbum de estúdio do cantor, compositor e percussionista pernambucano – lançado no apagar das luzes de 2009 pelo selo Arterial Music reunindo dez canções, oito delas inéditas, com sonoridade dançante e belas letras cheias de melancolia – consumiu cinco anos de trabalho, mas também angariou prêmios e elogios unânimes dos críticos mais renitentes, no Brasil e no exterior.






"Deu sim muito trabalho e aporrinhação, mas o resultado acho que traduz um pouco do meu melhor", explica Otto, do Rio de Janeiro, em entrevista por telefone, concedida em uma data emblemática: a tarde do feriado de sete de setembro. 

"Agora tem também o 11 de setembro, que virou uma outra data emblemática no mundo inteiro. Há muito tempo que penso nesta data do 11 de setembro para um show que seja mesmo marcante, que chegue para ficar na cabeça das pessoas como uma lembrança boa, porque as lembranças boas é o que movem a vida da gente", ele diz.





Não por acaso, Otto escolheu outra data cabalística como cláusula prevista em contrato para o lançamento do próximo disco. "Dia 11 do 11 de 2011 é a data marcada e assinada para a estreia do próximo show e para o lançamento do próximo CD, que vai trazer canções inéditas sobre garotas, máquinas e amores", ele conta, antecipando detalhes mirabolantes, ideias e planos "alguns impossíveis para agora, mas gravados na ponta do lápis para uma próxima", ele diz - para a produção do próximo trabalho.



Um cenário que lembra a Lua



"Será um disco experimental, diferente, com uma mistura de sons e de ritmos, umas coisas de sons espaciais e muitas referências ao Pink Floyd, que eu amo de paixão, e ao filme 'Farenheit 451', de Truffaut, que é uma coisa que mexeu muito e mexe muito comigo, mais a presença luxuosa de um bando de músicos de primeira linha", destaca Otto.

"Já está tudo acertado", ele diz. "Ah, e tem também a participação muito especial de dois mestres, Naná Vasconcelos, e uns remixes de passagens de som do Fela Kuti, que vai estar presente em espírito no disco, meu mestre pernambucano pioneiro em misturar percussão com mil coisas e meu mestre africano, pioneiro da música afrobeat".







"Já tenho até a foto da capa do próximo CD na cabeça: será um cenário que lembra a lua, com um trono africano e eu e os músicos montados em trajes da tradição tribal. Tem também um verso que está me perseguindo e que deve conduzir as composições que ainda estão por vir. O verso é assim: há um lado da cama que existe entre nós" ele recita, cantarolando o improviso ao telefone e explicando o parentesco intrincado das novas ideias com outros discos, outras canções, outros filmes e livros.

Enquanto o próximo disco vai fervilhando na cabeça do artista, o último CD segue rajetória de sucesso, com turnê de Otto e banda pelo Brasil e outros países e elogios na imprensa internacional entre eles o aval do sisudo "The New York Times", que rasgou elogios em longa matéria especial e chamou Otto de "Moby do sertão" – em referência ao festejado artistas da cena eletrônica dos EUA. 
 





O Moby do sertão



Como se não bastasse, o CD "Certa Manhã Acordei de Sonhos Intranquilos"  que traz projeto gráfico surpreendente e fotos na capa e encarte de Cafi e Talita Miranda que registram Otto na Floresta da Tijuca – também emplacou simultaneamente duas canções com sucesso em trilhas de novelas que disputaram a audiência no mesmo horário. Coisa rara. Otto emplacou "Crua", em "Passione", da Globo, e "Naquela Mesa", na trilha de "Ribeirão do Tempo", da Record.

"Este disco, com este título que no princípio todo mundo achava esquisito, é de certa forma minha evolução", ele diz. "Do primeiro CD, 'Samba pra Burro', posso dizer que é o que mais gosto, porque era uma carta de intenções. Os seguintes, incluindo o 'Condom Black' e o 'Sem Gravidade', também acho bons, fortes. Mas este atingiu um ponto legal, porque é um disco difícil, sofisticado, literário, que está provando que é possível sim, tocar as pessoas e emocionar e divertir e fazer pensar sem abrir concessões e sem explorar o mais fácil, o previsível. E também não pode ser impaciente”, ele diz, citando a sabedoria da literatura de Kafka:

Tem uma passagem muito bonita do Kafka que eu li e que ficou na minha cabeça. Ele fala que talvez exista apenas um pecado capital, que é a impaciência. Muito louco isso. O Kafka escreveu que foi por causa da impaciência que fomos expulsos do Paraíso. E depois diz que é por causa da impaciência que não podemos voltar”.



por José Antônio Orlando.





Para comprar o livro Franz Kafka: Essencial,   clique aqui.







Para comprar o livro de Kafka Oportunidade para um pequeno desespero,  clique aqui.















18 comentários:

  1. Ótimo texto. Kafka realmente é um gênio. E o cd do Otto é prova incontestável da sua (ótima) influência. Acabei de chegar de um show dele, em Garanhuns/PE. É virtuoso! Parabéns pelas postagens, professor!

    ResponderExcluir
  2. Oh, meu caro Jorge. Deve ter sido uma viagem das boas um show do Otto na terra natal. Bacana. Muito grato pelos elogios e pelo comentário que reforça meus argumentos. Kafka e Otto, quem diria... Abração para ti!

    ResponderExcluir
  3. José Orlando, muito legal o seu blog. Vai ficar entre os meus favoritos.Um grande abraço. Fred

    ResponderExcluir
  4. Meu caro Frederico. Vindo de você, o elogio pode ser tomado pelo autor como uma honra, privilêgio. Tomara, então, que eu seja mesmo merecedor. Valeu. Abração!

    ResponderExcluir
  5. Rafael Magalhães29 de julho de 2011 00:37

    Muito interessante o texto José Orlando. Gosto muito de ensaios que criam elos e nos levam a referências e universos distintos. Tenho uma amiga que ama Kafka, e uma outra, por sinal, carioca, apixonada por Otto. Sempre me indicaram ambos, mas ainda não parei para consumi-los!
    Espero que continue postando materiais ricos, como os que tem publicado, em seu blog!

    ResponderExcluir
  6. Caro professor, recebi indicação de seu ex-aluno do Curso de Design Gráfico da Fumec Victor Fioravante. Estou gostando bastante da qualidade dos textos do blog. Sou estagiário em revisão de textos, e os seus, segundo os temas e a pegada acadêmica do blog, são impecáveis. Participo de alguns grupos de estudos e de um suplemento literário (ainda em estado de feto), mas, pelo que vi em duas postagens, peço que me informe quais são suas publicações, as quais serão de grande apoio para várias daquelas atividades.

    Uma questão: na área de Letras, especificamente na de estudos literários, há um debate que, pelo menos na minha curta jornada desde o início da graduação (2007) até hoje, suscita polêmicas e desentendimentos complicadíssimos, ainda mais quando acrescentamos linguistas (de variadas linhas) na história. Trata-se da natureza do texto literário e de como ele precisa/deve(ria)/exige/pode (...) ser abordado. Eu poderia resumir os posicionamentos ideológicos a respeito em três grandes grupos:
    1. AUTONONIA TOTAL: o texto literário é igual a si mesmo, e sua natureza/abordagem independe de dados históricos e dados biográficos do autor.
    2. DEPENDÊNCIA TOTAL: o texto literário só pode (no sentido de possibilidade, não de permissão) ser (mais) adequadamente compreendido se levarmos em conta o contexto sociocultural que lhe engendrou, bem como os dados biográficos do autor.
    3. AUTONOMIA PARCIAL: o texto literário nem é totalmente autônomo nem totalmente dependente [dos citados dados e contexto], mas sua compreensão pode (no sentido de possibilidade, não de permissão) ser complementada se levarmos em conta o contexto sociocultural que lhe engendrou, bem como os dados biográficos do autor.

    Diante disso, professor, pergunto: qual seria a posição (se ela existe) dos estudos em semiótica acerca dessa polêmica? Como eles lidam com isso?

    Agradeço a oportunidade de conhecer seu trabalho e aguardo as informações referentes a possíveis publicações suas e aguardo também a resposta para a supracitada pergunta.

    Parabéns pela qualidade.
    (rogervsc@gmail.com)

    ResponderExcluir
  7. Kafka é, sem duvida, o mais importante autor do século XX. Ele nos mostra que as rupturas mais radicais no edifico da realidade nao foram resultado das inovacoes tecnicas da vanguardas, mas se deram dentro da forma e da evolucao do romance desde o fim do naturalismo. Em outras palavras, ele reiventou o realismo sem precisar torcer, como Joyce ou Guimaraes, a camada morfica, mas simplesmente mudando de lugar os fundamentos do predio, la esta aparentemente um predio, parece um edificio solido, no detalhe ele e realista, mas o conjunto e pura fantasmagoria. Parabens pelo trabalho paciente de tecer o moderno historico, Orlando, voce esta construindo uma plataforma muito consistente e duradoura. Uma mensagem que tem mandei foi enfolida pelo facebook, mas em resumo eu dizia que nos, eu e voce, esperamos passar o momento "novidadeiro" e "modernoso" do blog, juystamente pois agora que ele nao e mais modo, e possivel oferecer algo de qualidade, pois exisge uma demanda inercial enorme por isto e voce descobriu uma mina de ouro. Voce confirmou minha tese. E justamente quando o publico mais novidaderio migra para outras formas, que voce pode aproveitar melhor a estrutura desta plataforma. O seu caso e o que se chama em alemao de volltreffer, tiro certeiro. abracao do Jose

    ResponderExcluir
  8. Ludmilla Vasconcelos30 de agosto de 2011 12:43

    Virtuoso! Simples assim!
    Parabéns mestre!
    Um grande abraço!
    Ludmilla

    ResponderExcluir
  9. Adorei o Blog e o texto está excepcional!

    Gosto muito de Kafka, Carta ao Pai é uma obra primorosa.
    Utilizei esse potente romancista em minha dissetação de mestrado, em particular O Artista da Fome, Carta ao Pai e Na Colônia Penal.
    O paralelo que você fez entre Kafka e Otto foi genial, os dois são de fato seres intranquilos. Parabéns!

    Venho aqui mais vezes!

    Abçs,

    Ana.

    ResponderExcluir
  10. Ah, você conhece um livro organizado pelo Edson Passetti, chamado "Kafka e Foucault sem medos"

    Impecável!

    Abçs,

    Ana.

    ResponderExcluir
  11. Olá, Ana. Adorei suas mensagens...
    E sim, conheço o livro ("Kafka, Foucault, sem medos") e assinaria com orgulho embaixo de cada um dos artigos reunidos pelo Edson Passetti. Tanto Kafka quanto Foucault, nos domínios distintos da literatura de ficção e da filosofia, desestabilizam a sociedade de formalidades em que o Estado é o guardião da igualdade jurídica em nome de uma pretensa (e até hoje inatingível) igualdade social. As abordagens dos ensaios são especialmente felizes e creio que sobre a maioria delas também pairam os ensinamentos de outro mestre, Thoureau (da “desobediência civil”), com o alerta de que a ameaça do uso da força física sobre cada desobediente não garante acesso à uniformidade para todos...
    As ideias de Kafka, Foucault, Thoureau e outros mestres libertários precisam ser propagadas para acenar com uma promessa de felicidade para o coletivo e para repelir todo autoritarismo e covardia...
    Mil beijos para você!

    ResponderExcluir
  12. Obrigada pela visita no blog, que tem a pretenção de ser apenas um espaço de alegrias e inquietações.
    Não li ainda Thoureau, vou buscar. Valeu pela indicação!
    Coma sua postagem, lembrei de La Boétie "O discurso da servidão voluntária", absolutamente necessário para pensarmos a servidão incondicional de uns sobre os outros, ou de muitos sobre um.
    No Brasil, Edson Passetti realmente é um desobediente qualificadíssimo.

    Saúde!
    Forte abraço,

    ResponderExcluir
  13. Aline de Albuquerque14 de maio de 2012 13:02

    Nunca tinha visto um blog como o seu. Tem uma profundidade incrível mas também alcança a cultura pop, é inteligente e seduz a gente com a beleza das imagens e da edição. Parabéns, José Antonio Orlando. Este Semióticas é simplesmente genial! Virei sua fã de carteirinha!

    Aline de Albuquerque

    ResponderExcluir
  14. João Marcelo Canoas3 de julho de 2012 15:13

    Tive um trauma de infância quando minha mãe me levou para assistir uma montagem adulta de "Josephina, a Cantora" e chorei de medo. Fiquei muitas noites sem dormir. Muitos anos depois, na escola, "A Metamorfose" foi leitura obrigatória e também tive calafrios de imaginar que eu estivesse na pele daquele sujeito transformado ao acordar no repugnante inseto. Agora curto o Otto e descobri o verdadeiro sentido da literatura do Kafka nesta página do seu blog. Parabéns. Amei cada palavra e cada imagem e a entrevista genial com o grande Otto. Acho até que estou curado...

    ResponderExcluir
  15. Parabéns pelo blog. Realmente, é um espetáculo. Gostei de tudo. Mas esta página reunindo Kafka com Otto está de outro mundo. Show! Virei fã. Abraços para você, meu querido José! - Matheus Magalhães

    ResponderExcluir
  16. Sandra Santos Oliveira7 de julho de 2014 10:57

    Bela entrevista e belo artigo sobre a grande arte de Franz Kafka.
    Confesso que fiquei com muita surpresa e muito feliz por ter encontrado seu site em um link do Facebook. Um dos melhores sites que já visitei. Só esta citação da entrevista com o Otto já valeria pelo site inteiro, mesmo que o Semióticas não tivesse tantas e tantas matérias sensacionais, cada uma melhor que a outra:
    "Tem uma passagem muito bonita do Kafka que eu li e que ficou na minha cabeça. Ele fala que talvez exista apenas um pecado capital, que é a impaciência. Muito louco isso. O Kafka escreveu que foi por causa da impaciência que fomos expulsos do Paraíso. E depois diz que é por causa da impaciência que não podemos voltar"
    Agradeço muito por compartilhar e mando um beijo. Virei sua fã.

    Sandra Santos Oliveira

    ResponderExcluir
  17. Registro aqui meus parabéns por este belo blog Semióticas. Tudo do mais alto nível. É o melhor blog que já encontrei em muitos anos de pesquisa. Parabéns mesmo. Estou encantada com tudo e com esta página sobre Kafka mais ainda!!!
    Patrícia Lopes

    ResponderExcluir
  18. Que beleza de site e que beleza de matéria. Agradeço por você compartilhar imagens tão belas e textos tão sábios. Agradeço por você me apresentar coisas tão maravilhosas como este disco do Otto que eu não conhecia. Só agora descobri e simplesmente amei. Ai que sensacional que é tudo aqui em Semióticas!!!

    Taci Nascimento

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes